Cursos de Equoterapia 2019

44° Curso de Equitação para Equoterapia

Data de início: 02 de dezembro de 2019
Data de término: 13 de dezembro de 2019
Data limite para inscrição: 01 de novembro de 2019
Data de seleção: 05 de novembro de 2019
Data de pagamento: 08 de novembro de 2019

164° Curso Básico de Equoterapia

Data de início: 18 de novembro de 2019
Data de término: 22 de novembro de 2019
Data limite para inscrição: 31 de outubro de 2019
Data de seleção: 01 de novembro de 2019
Data de pagamento: 08 de novembro de 2019

163° Curso Básico de Equoterapia

Data de início: 21 de outubro de 2019
Data de término: 25 de outubro de 2019
Data limite para inscrição: 30 de setembro de 2019
Data de seleção: 01 de outubro de 2019
Data de pagamento: 04 de outubro de 2019

162° Curso Básico de Equoterapia

Data de início: 23 de setembro de 2019
Data de término: 27 de setembro de 2019
Data limite para inscrição: 30 de agosto de 2019
Data de seleção: 02 de setembro de 2019
Data de pagamento: 06 de setembro de 2019

161° Curso Básico de Equoterapia

Data de início: 26 de agosto de 2019
Data de término: 30 de agosto de 2019
Data limite para inscrição: 26 de julho de 2019
Data de seleção: 29 de julho de 2019
Data de pagamento: 02 de agosto de 2019

43° Curso de Equitação para Equoterapia

Data de início: 22 de julho de 2019
Data de término: 02 de agosto de 2019
Data limite para inscrição: 01 de julho de 2019
Data de seleção: 02 de junho de 2019
Data de pagamento: 03 de agosto de 2019
 

Princípios e Fundamentos

Toda atividade equoterápica deve se basear em fundamentos técnico-científicos.

O atendimento equoterápico só poderá ser iniciado mediante parecer favorável em avaliação médica, psicológica e fisioterápica.

As atividades equoterápicas devem ser desenvolvidas por equipe multiprofissional com atuação interdisciplinar, que envolva o maior número possível de áreas profissionais nos campos da saúde, educação e equitação.

As sessões de Equoterapia podem ser realizadas em grupo, porém o planejamento e o acompanhamento deve ser individualizados.

Para acompanhar a evolução do trabalho e avaliar os resultados obtidos, deve haver registros periódicos e sistemáticos das atividades desenvolvidas com os praticantes.

A ética profissional e a preservação da imagem dos praticantes de equoterapia devem ser constantemente observadas.

O atendimento equoterápico deve ter um componente de filantropia para que possa, também, atingir classes sociais menos favorecidas, para não se constituir em atividade elitizada.

A segurança física do praticante dever ser uma preocupação constante de toda a equipe, tendo em vista:

  • o comportamento e atitudes habituais do cavalo e às circunstâncias que podem vir a modificá-los, como por exemplo uma bola arremessada ou um tecido esvoaçando, nas proximidades do animal;
  • a segurança do equipamento de montaria, particularmente correias, presilhas, estribos, selas e manta;
  • à vestimenta do cavaleiro, principalmente nos itens que podem trazer desconforto ou riscos de outras naturezas;
  • o local das sessões onde possam ocorrer ruídos anormais que venham assustar os animais.